Sabia que o espaço onde o cão vive é um dos focos para proliferação dos parasitas? Confira dicas para evitá-los

no Revista Meu Pet

Qual animal nunca sofreu com pulgas e carrapatos? Além de indesejados, são perigosos, porém, felizmente, há muitas formas de evitar esse contato. A médica veterinária Laís Alarça, da Hercosul Alimentos, dá algumas dicas para manter-se longe desses parasitas.

“As pulgas são responsáveis por coceiras, alergias, perda de peso e até verminose. Os carrapatos podem ser vetores que desencadeiam sérias doenças, que até podem levar o animal a óbito se não forem tratadas adequadamente. Algumas medidas básicas devem ser tomadas no próprio ambiente, pois em muito casos ele já é o foco para pulgas e carrapatos”, revela. Então, tratar também o espaço onde o cão vive é extremamente importante e torna o controle completamente eficaz.

  1. No verão, os parasitas encontram as melhores condições para se desenvolverem, chegando à vida adulta em apenas 10 dias. Nessa estação, evite passeios em praças, já que alguns cães podem estar desprotegidos;
  2. O rejunte do piso, as frestas, os tapetes e os sofás são perfeitos para pulgas se reproduzirem rapidamente, então dedetizar o local é fundamental;
  3. Se encontrar um carrapato no cão, o indicado é não retirá-lo sem ajuda de um veterinário, pois dependendo do carrapato, pode transmitir doenças aos seres humanos. 

“Prevenir é o melhor remédio, mas se o problema já está instalado não há motivo para pânico. O tratamento pode ser demorado, mas costuma ser efetivo na maioria dos casos”, conclui.